Trump observa enquanto seu partido implode

A saúde de Scalise deu-lhe força suficiente para servir. Mas a sua saúde política não é boa. Ele desistiu da disputa na noite de quinta-feira, dizendo que haveria muitos desertores republicanos para ganhar votos formais na Câmara estreitamente dividida.

Ele tem um belo prêmio de consolação esperando por ele: ele não precisa jogar de forma convincente de que é realmente o presidente da Câmara, como fez Kevin McCarthy durante seu curto mandato. Seu direito de falar teria sido uma ilusão – sem autoridade, sem proteção, sem agradecimento.

Não há trabalho real para preencher.

Porque neste momento, Trump é o único líder com seguidores sustentados no moderno Partido Republicano. Isso é verdade, embora o Partido Republicano esteja repleto de pessoas que silenciosamente o querem fora e de um pequeno número de líderes que o defendem ruidosamente. Até agora, nenhum republicano da era Trump conseguiu emergir como um verdadeiro líder – não procurando alianças com ele, apoiando-se nele ou tentando manter uma distância segura dele.

O drama da Câmara mostra que, se Trump é um ditador, não está muito preocupado em usar o poder apesar de si mesmo. Em vez disso, ele tratou a turbulência e as humilhações rituais – primeiro por McCarthy, depois por Jordan, agora por Scalise – como um espetáculo secundário. Em aspectos importantes, ele está certo.

A política interna, em ambos os partidos, pode parecer isolante e claustrofóbica. Isto certamente ficou evidente entre os republicanos nas últimas duas semanas. Os insultos retumbantes, as rivalidades pessoais disfarçadas de questões políticas, as alianças em colapso – podem parecer impenetráveis ​​e desligadas das questões reais do mundo em geral.

READ  Espera-se que a Itália chegue à Flórida como um furacão de categoria 3, com chuvas, ventos e tempestades perigosas.

A alguma distância, porém, é claro que a sombra que paira sobre o Partido Republicano na Câmara é a mesma sombra que paira sobre o Partido Republicano em geral e sobre toda a política americana. Enquanto Trump continuar a ser a figura dominante no seu partido e o seu futuro continuar por resolver, não poderá haver regresso à normalidade, a tudo o que era normal. Será condenado por crimes em 2024 ou derrotará uma posição politicamente vulnerável e retornará à presidência? Ou talvez ambos?

Até que estas perguntas sejam respondidas: “Quem será o próximo orador?” A resposta mais óbvia é “Quem se importa?” A corrida aos porta-vozes é uma batalha marginal para manter um cargo que promete pouco poder ou dignidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *