Uma escola secundária de Las Vegas está lutando para descobrir como uma disputa por bens roubados se transformou em um golpe mortal.

LAS VEGAS – Enquanto os alunos de uma escola secundária de Las Vegas voltavam para casa, uma mensagem de emergência chegou pelo interfone: era necessário um desfibrilador perto de uma sala de aula.

Uma enfermeira correu. Uma equipe de professores tentou RCP. Só no dia seguinte é que o professor de estudos sociais Ruben de Silva soube o que tinha acontecido – um estudante que substituía um amigo foi colocado em aparelhos de suporte vital depois de ter sido brutalmente espancado por 10 colegas num beco próximo.

Foi um episódio devastador para a Rancho High School, uma escola predominantemente minoritária no leste de Las Vegas. Alguns alunos saíram da aula quando souberam que Jonathan Lewis Jr., 17, não sobreviveria ao ferimento na cabeça e outros ferimentos que sofreu no ataque de 1º de novembro, disse De Silva.

Um vídeo do ataque feito por um celular foi amplamente compartilhado nas redes sociais, causando grande pesar.

Nas semanas que se seguiram, um pequeno memorial foi erguido num beco cheio de lixo, cercado por prédios de apartamentos e uma vida sóbria. Alunos, professores e funcionários estão lidando com a escalada do confronto por causa de uma caneta vape roubada e um par de fones de ouvido sem fio.

“O trauma, francamente, vai além da família do jovem”, disse o professor de psicologia Isaac Baron, vereador da vizinha North Las Vegas. “Vai ser profundo e não há varinha mágica para resolver isso.”

A polícia e os promotores dizem que nove dos 10 estudantes adolescentes envolvidos na surra foram presos. Os quatro foram formalmente acusados ​​​​como adultos de assassinato em segundo grau na terça-feira, enquanto os outros estudantes aguardam julgamentos separados.

READ  Argumentos finais no julgamento de fraude civil de Trump em Nova York

Uma sala foi montada no campus com assistentes sociais e conselheiros para ouvir as angústias de alunos e funcionários. De Silva, formado em Rancho, enviou alunos para lá quando soube que seu colega havia sido retirado do aparelho de suporte vital.

“É muito difícil entender algo assim, onde você tem uma briga que se transforma em uma surra brutal de um estudante por outros estudantes do Rancho”, disse Silva à Associated Press. Culpado – ou ambos.”

Em uma vigília no beco na noite de terça-feira, dezenas de pessoas se reuniram para lembrar Lewis, colocando rosas brancas de haste longa onde a polícia diz que ele foi atacado. Uma foto escolar do jovem colocado sobre a mesa com a vela olhava para a multidão.

À medida que o grupo diminuía, a mãe de Luis, Melissa Reddy, estava perto de uma pilha de rosas e chorava quando Arturo Herrera, de 16 anos, se aproximou. Herrera, enxugando as lágrimas, disse que era amigo de seu filho.

Reddy, que permaneceu sem palavras durante a vigília, puxou Herrera para um abraço e os dois choraram nos ombros um do outro.

A mãe de Herrera, Maggie Willard, disse que seu filho faltou vários dias à escola desde que soube da morte de Lewis. Ela disse que ele saiu de casa pela primeira vez em mais de uma semana antes de acordar.

“Demorou muito para ele se assumir, mas eu disse que ele precisava de um encerramento e esta era uma maneira de conseguir isso”, disse Willard. “Ele se saiu bem. Estou orgulhoso dele porque ele deixa tudo para trás.

READ  Kaliningrado: Rússia furiosa quando organização polonesa sugere renomear enclave

As informações sobre o caso foram inicialmente escassas. A escola manteve um momento de silêncio durante os anúncios na manhã seguinte ao espancamento. A diretora Darlene Delgado disse em uma reunião de equipe que não poderia entrar em detalhes sobre a condição de Lewis, mas disse que a unidade de homicídios do departamento de polícia estava investigando, lembrou De Silva.

Os professores engasgaram.

Os detetives dizem que Lewis foi até o beco com um amigo depois da escola, mas não acreditam que ele fosse o alvo. O tenente de homicídios da polícia Jason Johansen disse que o vídeo do celular mostra Lewis tirando a camisa para se preparar para uma briga, então 10 estudantes “imediatamente o atacam, arrastam-no para o chão, chutam, socam e pisam nele”.

Após a briga, disse Johansen, um homem que encontrou Lewis espancado e desmaiado o levou de volta ao campus, onde os funcionários da escola ligaram para o 911 para tentar ajudar o aluno.

Baron, que leciona no ensino médio há quase 30 anos, disse que seus colegas que tentaram ajudar “levaram isso muito a sério”. Ele disse que eles nunca saíram do lado de Lewis depois que os primeiros socorros chegaram.

“Se você é professor, você é um comerciante da fé”, disse ele à AP. “Mas é algo que realmente atinge a essência de quem somos. Sempre esperamos que nossos alunos se formem e tenham uma vida produtiva. Se não pensássemos dessa forma, sei que não estaria trabalhando.

Na noite de terça-feira, os amigos de Lewis o descreveram como um menino carinhoso que era reservado, mas falava quando era importante.

Os estudantes Andrew Cabrera e Luis Valenzuela disseram que não ficaram surpresos quando ouviram que Luis defendeu um amigo quando foi atacado.

READ  Comandantes invisíveis de Vladimir Putin são vulneráveis ​​apesar de sobreviverem à insurgência

“Isso parecia ser ele”, disse Cabrera perto do memorial no beco, onde buquês, velas e pétalas de rosa estavam ao redor de um bichinho de pelúcia com um bilhete chamando Lewis de herói.

Dizia: “Obrigado por defender suas crenças”.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *