Ucrânia promove plano de paz na reunião de 83 nações em Davos

Mantenha-se informado com atualizações gratuitas

Autoridades de segurança de 83 países reuniram-se em Davos no domingo para discutir as exigências da Ucrânia para acabar com a guerra com a Rússia, com uma crescente participação não-ocidental, mas com poucos progressos em direcção à paz.

A reunião, realizada antes do Fórum Económico Mundial num resort de montanha suíço, foi a quarta reunião que Kiev convocou para avançar os seus planos de paz, que incluem uma retirada total das tropas russas do seu território. Acontece no momento em que se aproxima o segundo aniversário da invasão total do Presidente Vladimir Putin, com a guerra atolada num impasse.

A participação activa de representantes de segurança nacional da Índia, Brasil e Arábia Saudita, países do chamado Sul Global que mantêm laços diplomáticos com a Rússia, foi saudada como um sinal positivo pelas autoridades ocidentais.

Andriy Yermak, chefe de gabinete do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, disse aos repórteres após a reunião que houve “negociações abertas e muito construtivas entre países que querem estar do lado”. . . Paz.”

Mas a ausência da China, o aliado mais importante de Moscovo, minou a sua importância, acrescentaram. A própria Rússia não foi convidada.

“A participação da aliança BRICS é muito importante porque estes países têm relações com a Rússia”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros suíço, Ignacio Cassis, que co-organiza as conversações.

“A China é um ator chave. Precisamos encontrar maneiras de trabalhar com a China nisso”, acrescentou.

Zelenskyy não participou nas conversações, mas deverá discursar num evento do Fórum Económico Mundial em Davos na terça-feira e depois realizar reuniões bilaterais com outros líderes.

READ  Em meio à rivalidade com DeSantis, a Disney cancelou um empreendimento de US$ 1 bilhão na Flórida

Questionado por Zelensky se se encontraria com o primeiro-ministro chinês, Li Qiang, Yermak disse: “Veremos”.

O ministro das Relações Exteriores da Suíça, Ignacio Cassis, que foi anfitrião das conversações em Davos, disse que a participação da aliança BRICS é muito importante porque esses países têm relações com a Rússia. © Gian Ehrenzeller/EPA-EFE/Shutterstock

Os 83 delegados, incluindo 18 da Ásia e 12 de África, são significativamente maiores do que os 65 que participaram na última ronda de conversações em Malta, em Outubro. Seguiu-se à reunião inicial em Copenhaga e continuou em Jeddah.

“Estamos mantendo um diálogo aberto, superando algumas diferenças”, disse uma pessoa ao descrever as discussões.

Autoridades disseram que alguns países não ocidentais estão reiterando a sua posição de que a Rússia deveria estar envolvida e encontrar uma solução para resolver as preocupações de segurança de Moscovo, tais como o desejo da Ucrânia de aderir à aliança militar da NATO.

Em resposta, os países ocidentais que apoiaram a Ucrânia com armas e financiamento argumentaram que os países em desenvolvimento com laços com a Rússia deveriam usar a sua influência para deixar claro a Moscovo que a sua invasão viola a Carta da ONU e mina a segurança global.

“Claro, temos ideias diferentes sobre como isso é possível [achieve peace]“Algumas pessoas acham que é necessário sentar-se à mesa imediatamente”, disse Ermak sobre as diferentes posições [with Russia].”

Mas todas as delegações estavam “muito unidas nos princípios fundamentais que sustentam o direito internacional e o direito das Nações Unidas”, acrescentou.

Kassis disse que era “uma ilusão pensar que a Rússia responderia positivamente” a qualquer pedido de negociações, acrescentando que Moscovo “não estava pronto para tomar qualquer acção ou fazer quaisquer concessões”.

READ  Donald Trump diz que é alvo de investigação criminal de procurador especial após as eleições de 2020

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *