Ucrânia promove plano de paz na reunião de 83 nações em Davos

Mantenha-se informado com atualizações gratuitas

Autoridades de segurança de 83 países reuniram-se em Davos no domingo para discutir as exigências da Ucrânia para acabar com a guerra com a Rússia, com uma crescente participação não-ocidental, mas com poucos progressos em direcção à paz.

A reunião, realizada antes do Fórum Económico Mundial num resort de montanha suíço, foi a quarta reunião que Kiev convocou para avançar os seus planos de paz, que incluem uma retirada total das tropas russas do seu território. Acontece no momento em que se aproxima o segundo aniversário da invasão total do Presidente Vladimir Putin, com a guerra atolada num impasse.

A participação activa de representantes de segurança nacional da Índia, Brasil e Arábia Saudita, países do chamado Sul Global que mantêm laços diplomáticos com a Rússia, foi saudada como um sinal positivo pelas autoridades ocidentais.

Andriy Yermak, chefe de gabinete do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, disse aos repórteres após a reunião que houve “negociações abertas e muito construtivas entre países que querem estar do lado”. . . Paz.”

Mas a ausência da China, o aliado mais importante de Moscovo, minou a sua importância, acrescentaram. A própria Rússia não foi convidada.

“A participação da aliança BRICS é muito importante porque estes países têm relações com a Rússia”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros suíço, Ignacio Cassis, que co-organiza as conversações.

“A China é um ator chave. Precisamos encontrar maneiras de trabalhar com a China nisso”, acrescentou.

Zelenskyy não participou nas conversações, mas deverá discursar num evento do Fórum Económico Mundial em Davos na terça-feira e depois realizar reuniões bilaterais com outros líderes.

READ  Tentativa de golpe na Bolívia: General preso, exército foge do palácio

Questionado por Zelensky se se encontraria com o primeiro-ministro chinês, Li Qiang, Yermak disse: “Veremos”.

O ministro das Relações Exteriores da Suíça, Ignacio Cassis, que foi anfitrião das conversações em Davos, disse que a participação da aliança BRICS é muito importante porque esses países têm relações com a Rússia. © Gian Ehrenzeller/EPA-EFE/Shutterstock

Os 83 delegados, incluindo 18 da Ásia e 12 de África, são significativamente maiores do que os 65 que participaram na última ronda de conversações em Malta, em Outubro. Seguiu-se à reunião inicial em Copenhaga e continuou em Jeddah.

“Estamos mantendo um diálogo aberto, superando algumas diferenças”, disse uma pessoa ao descrever as discussões.

Autoridades disseram que alguns países não ocidentais estão reiterando a sua posição de que a Rússia deveria estar envolvida e encontrar uma solução para resolver as preocupações de segurança de Moscovo, tais como o desejo da Ucrânia de aderir à aliança militar da NATO.

Em resposta, os países ocidentais que apoiaram a Ucrânia com armas e financiamento argumentaram que os países em desenvolvimento com laços com a Rússia deveriam usar a sua influência para deixar claro a Moscovo que a sua invasão viola a Carta da ONU e mina a segurança global.

“Claro, temos ideias diferentes sobre como isso é possível [achieve peace]“Algumas pessoas acham que é necessário sentar-se à mesa imediatamente”, disse Ermak sobre as diferentes posições [with Russia].”

Mas todas as delegações estavam “muito unidas nos princípios fundamentais que sustentam o direito internacional e o direito das Nações Unidas”, acrescentou.

Kassis disse que era “uma ilusão pensar que a Rússia responderia positivamente” a qualquer pedido de negociações, acrescentando que Moscovo “não estava pronto para tomar qualquer acção ou fazer quaisquer concessões”.

READ  Biden diz que ficaria feliz em debater com Trump

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *