Ucrânia atacou o quartel-general da Frota Russa do Mar Negro em Sebastopol

KIEV (Reuters) – As forças ucranianas dispararam uma série de mísseis contra o quartel-general da Frota Russa do Mar Negro, em Sebastopol, na Crimeia ocupada, nesta sexta-feira, atingindo um alvo considerado fortemente defendido e demonstrando a capacidade crescente de Kiev de atacar a infraestrutura militar russa em toda a península.

A força aérea da Ucrânia emitiu um comunicado dizendo: “Por volta das 12h, as forças de defesa ucranianas atacaram com sucesso o quartel-general do comando da Frota do Mar Negro em Sebastopol temporariamente ocupada”, a ponta sudoeste da Crimeia, que a Rússia ocupou e anexou ilegalmente. 2014.

Não foram fornecidos mais detalhes sobre o ataque e não ficou imediatamente claro que tipo de mísseis foram usados, mas o comandante da força aérea ucraniana emitiu uma declaração que parecia zombar das afirmações russas de que todos os mísseis foram abatidos pelas defesas aéreas. . O relatório também menciona outro ataque esta semana numa base russa na cidade ocupada de Melitopol.

“Prometemos que haveria mais”, postou o comandante da Força Aérea Mykola Oleschuk nas redes sociais. “Então, quando os invasores estão se recuperando em Melitopol e os alarmes aéreos ainda soam em Sebastopol, obrigado mais uma vez aos pilotos da Força Aérea!”

“Todos os mísseis interceptados!” Oleschuk continuou com claro sarcasmo. “Espero que a defesa aérea russa não nos decepcione novamente na próxima vez.”

Oleksiy Danilov, secretário do Conselho Nacional de Defesa e Segurança da Ucrânia, tuitou que as forças russas devem destruir os seus navios antes da chegada das forças ucranianas.

“Caso contrário, a Frota Russa do Mar Negro será cortada como um salame”, escreveu Danilov.

EUA perto de entregar mísseis cluster de longo alcance à Ucrânia

READ  'Godzilla x Kong' está à frente de 'Ape Man', 'The First Omen'

Embora as alegações ucranianas não possam ser confirmadas de forma independente, um vídeo publicado nas redes sociais na sexta-feira, verificado pelo Storyful e confirmado pelo The Washington Post, mostrou fumo a subir do quartel-general da Frota do Mar Negro.

Os danos ao edifício representariam uma falha significativa nas defesas aéreas da Rússia. Após a queda da União Soviética, a Rússia manteve o quartel-general da Frota do Mar Negro em Sebastopol sob um contrato de arrendamento. Acredita-se que militares russos estacionados lá tenham participado da invasão da Crimeia em 2014.

A frota e o seu quartel-general são alvos óbvios de alto perfil para a Ucrânia, que prometeu expulsar os invasores russos de todo o seu território – incluindo a Crimeia e partes das regiões de Donetsk e Luhansk, que estão sob controlo russo há quase uma década.

Polónia ameaça parar de enviar armas para a Ucrânia na luta pelos cereais

O ataque segue-se a vários ataques nas últimas semanas na Crimeia e especificamente à frota do Mar Negro, incluindo um aparente ataque com mísseis a um submarino e a uma embarcação de desembarque em Sebastopol este mês. Outro ataque teria danificado um sistema de defesa aérea russo.

O governador da Crimeia, apoiado pelo Kremlin, Mikhail Rasvosayev, confirmou nas redes sociais que o míssil atingiu o quartel-general naval do Mar Negro. Ele disse que os bombeiros estavam tentando apagar o incêndio no prédio e que a onda de choque da explosão “quebrou vidros em 10 prédios residenciais no centro da cidade”.

Canais de notícias russos disseram que seis pessoas ficaram feridas, mas não houve confirmação oficial. O Ministério da Defesa da Rússia disse inicialmente que uma pessoa foi morta, mas depois mudou para “desaparecida”.

READ  Autoridades dizem que seis pessoas morreram em um incêndio em um hotel na Nova Zelândia

Zelensky criticou Washington numa tentativa apressada de reforçar apoio

Fotos nas redes sociais mostraram um grande buraco nos andares superiores do edifício e fumaça subindo para o centro de Sebastopol.

Parece que as capacidades ofensivas de longo alcance da Ucrânia aumentarão num futuro próximo. A administração Biden está perto de anunciar a entrega a Kiev de uma versão dos mísseis ATACMS armados com bombas de fragmentação – a até 300 quilómetros de distância – de acordo com pessoas familiarizadas com as deliberações em curso.

A Ucrânia solicitou centenas de mísseis que permitiriam às suas forças atacar alvos russos além das linhas de frente.

Na sexta-feira, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, continuou a sua rápida viagem à América do Norte, visitando o Canadá, onde se encontrou com o primeiro-ministro Justin Trudeau em Ottawa e discursou no parlamento.

Esta semana, ele discursará na Assembleia Geral da ONU e na Assembleia Geral da ONU em Nova Iorque. Proferiu discursos apaixonados no Conselho de Segurança, seguidos de reuniões com o Presidente Biden na Casa Branca em Washington, líderes do Congresso no Capitólio e comandantes militares no Pentágono.

Mais perto de casa, a procura de Kiev por mercados para os seus produtos agrícolas levou a tensões com os seus vizinhos esta semana, após o termo de um acordo com a União Europeia que limita as importações ucranianas.

A Polónia, a Hungria e a Eslováquia afirmaram que continuariam a aplicar o embargo aos cereais ucranianos para proteger os seus próprios agricultores. Autoridades ucranianas disseram mais tarde que estavam negociando um compromisso com os seus homólogos eslovacos.

Mas a disputa com a Polónia eclodiu na terça-feira, quando Zelenskiy, durante o seu discurso na Assembleia Geral da ONU, acusou “alguns na Europa” de fingir unidade num acto de “teatro político”, criando uma controvérsia que joga a favor de Moscovo.

READ  Putin diz que não haverá paz na Ucrânia até que a Rússia atinja os seus objetivos

A Polónia convocou o embaixador ucraniano em Varsóvia na quarta-feira em resposta aos comentários; Na quinta-feira, o primeiro-ministro Mateusz Morawiecki anunciou que Varsóvia suspenderia as novas exportações de armas para Kiev.

O presidente polaco, Andrzej Duda, mais tarde tentou agravar a situação, dizendo que a Polónia poderia transferir armas de antigas reservas militares “tal como fizemos antes”.

No entanto, a Rússia não fez nenhum esforço para esconder a sua satisfação com a divisão, que coloca Kiev contra um dos seus aliados mais próximos.

“Prevemos que as tensões entre Varsóvia e Kiev aumentarão”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitriy. Peskov disse a repórteres na sexta-feira.

Peskov acrescentou: “O atrito entre Kiev e outras capitais europeias irá aumentar, é inevitável”. Entretanto, disse ele, usando o termo preferido de Moscovo para uma invasão em grande escala da Ucrânia, “continuamos a nossa operação militar especial”.

Na sexta-feira, uma autoridade ucraniana local disse que 16 pessoas ficaram feridas num ataque russo a Kurakov, na região oriental de Donetsk.

Dmytro Lunin, chefe da administração militar de Poltava, disse que as forças russas lançaram um ataque com mísseis contra a cidade de Kremenchuk, no centro da Ucrânia, na sexta-feira.

“Infelizmente, houve um impacto na infraestrutura civil”, uma pessoa morreu e 15 ficaram feridas, escreveu Lunin nas redes sociais.

Natalia Appakumova e Anastasia Kalochka em Riga, Letónia, contribuíram para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *