Trabalhador de Mar-a-Lago dá aos promotores novos detalhes no caso dos documentos de Trump

No ano passado, o ex-presidente Donald J. O advogado de Trump, Sr. Um dia antes de uma reunião importante entre Trump e autoridades que buscam a devolução de documentos confidenciais, um assessor do clube privado do ex-presidente foi visto movendo caixas para um depósito. , segundo uma pessoa familiarizada com o assunto.

O funcionário da manutenção se ofereceu para ajudar o ajudante – na Casa Branca, o Sr. Walt Nauta – assessor de Trump – moveu as caixas e deu-lhe uma mão. Mas o trabalhador não sabia o que havia dentro da caixa, disse uma pessoa familiarizada com o assunto. O funcionário da manutenção compartilhou a conta com os promotores federais, disse a pessoa.

Senhor. O relato do trabalhador será importante para os promotores porque detalha como Trump lidou com documentos confidenciais que levou consigo da Casa Branca depois de deixar o cargo e frustrou os esforços do Departamento de Justiça e do Arquivo Nacional para recuperá-los.

Um dia antes de Jay Pratt, o principal oficial de inteligência do Departamento de Justiça, visitar Mar-a-Lago, o Sr. No depósito onde Nauda e o funcionário da manutenção transportavam as caixas, o Sr. A posse de Trump foi descoberta. junho para recuperar bens do governo do ex-presidente.

Senhor. Pratt discutiu com o Sr. O advogado de Trump, M. Antes de Evan Corcoran revistar o depósito naquele mesmo dia, o Sr. Nauta e o trabalhador levaram as caixas para a sala. Senhor. Corcoran ligou para funcionários do Departamento de Justiça naquela noite para marcar uma reunião no dia seguinte. Ele acreditava não ter autorização de segurança para portar documentos com marcas classificadas, disse uma pessoa, explicando sua decisão.

Há algumas semanas, o Departamento de Justiça emitiu uma intimação pedindo a devolução dos documentos. Os promotores estavam tentando determinar se Trump moveu os documentos por Mar-a-Lago ou tentou esconder alguns deles após a intimação.

READ  'Godzilla x Kong' está à frente de 'Ape Man', 'The First Omen'

Parte de seu interesse, Sr. Corcoran, antes da reunião com funcionários do Departamento de Justiça, disse que o Sr. Corcoran está tentando determinar se os documentos foram movidos antes de movê-los. Ao mover documentos na época, o Sr. Os promotores perguntaram às testemunhas sobre as funções de Nauta e do trabalhador de manutenção, cujo nome não foi divulgado publicamente.

Durante sua viagem a Mar-a-Lago em 3 de junho, o Sr. De acordo com um dos advogados de Trump, o Sr. Pratt recebeu um pacote contendo cerca de três dúzias de documentos com marcas classificadas. Senhor. Para Pratt, Sr. Uma carta redigida por Corcoran, mas assinada por outro advogado do ex-presidente, também foi fornecida, certificando que uma busca diligente foi feita por qualquer material adicional em resposta à intimação e que nenhum foi encontrado. Naquela época o Sr. para procurar o depósito. Pratt não teve permissão.

Sr. com o trabalhador de manutenção. Detalhes do tempo de contato de Nautha O Washington Post noticiou anteriormente. Senhor. O advogado de Nauta se recusou a comentar. O advogado do funcionário da manutenção não quis discutir o assunto publicamente.

O New York Times informou este mês que os promotores obtiveram a cooperação de uma testemunha que trabalhava em Mar-a-Lago. Entre outras coisas, a testemunha forneceu aos investigadores uma foto do depósito.

A investigação, supervisionada pelo conselheiro especial Jack Smith, deu sinais de entrar em seus estágios finais, e esta semana o Sr. Os advogados de Trump solicitaram uma reunião para discutir. O procurador-geral Merrick B. Caso com Garland.

Senhor. O porta-voz de Trump, Steven Cheung, chamou a investigação de “uma caça às bruxas direcionada e politicamente motivada contra o presidente Trump, projetada para interferir na eleição e impedir que o povo americano o devolva à Casa Branca”.

Ele disse que os promotores “assediaram todos que trabalharam, trabalharam ou apoiaram o presidente Trump” e que Trump tentou cooperar com o Departamento de Justiça.

READ  Celtics fecham Kristaps Poroshenko em troca de 3 times com Wizards e Clippers: fontes

Senhor. Os promotores estão questionando testemunhas sobre um possível motivo para manter os documentos de Trump.

Senhor. Eles intimaram informações sobre os acordos comerciais de Trump com países estrangeiros desde que ele assumiu o cargo. Em janeiro de 2022, após uma série de esforços, 15 caixas de bens do governo – contendo documentos classificados – foram transferidas para o Arquivo Nacional, disse o Sr. Eles foram informados por testemunhas de que alguns assessores podem saber que Trump ainda tinha os documentos em sua posse. Através dos arquivos para recuperar os documentos, como pessoas informadas sobre o assunto.

Entre as testemunhas mais importantes dos últimos meses está o Sr. Corcoran, o Sr. do Departamento de Justiça. Ele escreveu a Pratt que uma busca diligente não revelou mais nenhum documento.

Em março, os promotores disseram que o Sr. Privilégio advogado-cliente do Sr. Corcoran. Eles discutiram com sucesso com Trump sob a exceção de fraude criminal, uma disposição da lei que pode ser usada quando os investigadores têm evidências de que os serviços de um advogado podem ter sido usados ​​na comissão. crime

A juíza Beryl A., então presidindo os casos do grande júri no tribunal distrital federal em Washington. Howell, Sr. Trump conhece o Sr. Os promotores demonstraram ampla evidência de quais documentos Corcoran ainda possui.

2021 e início do ano passado em lidar com o Arquivo Nacional o Sr. O Times relatou anteriormente que o juiz Howell escreveu em um memorando lacrado que sua maneira de lidar com o que chamou de “desorientação” de Trump foi “obviamente um ensaio geral”. Uma pessoa resumiu o conteúdo do memorando em uma intimação do grande júri em maio passado.

READ  As últimas notícias sobre o colapso e recuperação da Key Bridge em Baltimore

Por privilégio advogado-cliente, o Sr. Em um memorando lacrado determinando que Corcoran não deveria ser protegido, o juiz Howell disse que o Sr. Ele tocou em vários incidentes que os promotores consideraram evidências da obstrução e apropriação indevida de bens do governo por Trump. Parte, a pessoa contou sobre seu conteúdo.

“Outras evidências demonstram que o ex-presidente procurou intencionalmente reter documentos confidenciais quando não estava autorizado a fazê-lo e estava ciente disso”, escreveu Howell, disse a pessoa.

O juiz Howell reconheceu que o padrão para atender à exceção de fraude criminal é menor do que o necessário para apresentar acusações ou obter um veredicto do júri, de acordo com uma pessoa familiarizada com o que ele escreveu. No entanto, o juiz deixou claro que acredita que o governo atingiu o limite tanto para evitar procedimentos do grande júri quanto para “retenção não autorizada de informações de segurança nacional”.

“O governo apresentou provas suficientes de que o ex-presidente estava de posse de documentos materiais contendo informações de segurança nacional”, escreveu ele, “e que não forneceu esses documentos a um funcionário com direito a acessá-los”.

Em outro ponto, o juiz Howell, o Sr. Ele abordou a mentalidade e a mentalidade de Trump, dizendo que o governo forneceu evidências suficientes para mostrar que o ex-presidente reteve conscientemente documentos confidenciais.

No final do ano passado, após pressão de advogados, o Sr. Ele também observou que uma nova busca nas propriedades de Trump conduzida por especialistas em nome de Trump encontrou documentos adicionais com marcas classificadas em seu quarto em Mar-a-Lago. disse.

“Significativamente, nenhuma desculpa foi dada para como o ex-presidente poderia ter perdido os documentos secretos encontrados em seu próprio quarto em Mar-a-Lago”, escreveu o juiz Howell, que foi informado sobre o conteúdo de seu memorando.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *