OPEP+ inicia reuniões nas quais novos cortes de produção podem ser acordados

  • Cortes podem chegar a 1 milhão de bpd, dizem fontes
  • Ministro saudita ‘cuidado’ com vendedores a descoberto
  • OPEP+ também pode revisar base de cotas – Fontes

VIENA, 3 Jun (Reuters) – A Opep e seus aliados iniciaram dois dias de reuniões neste sábado que podem culminar em cortes de produção de 1 milhão de barris por dia, disseram fontes da Opep+ à Reuters, enquanto o grupo enfrenta os preços do petróleo e uma bandeira. Fornecimento Clt.

A OPEP+, um grupo de aliados liderados pela Rússia e pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo, extrai 40% do petróleo bruto mundial, o que significa que suas decisões políticas podem ter um enorme impacto nos preços do petróleo.

Três fontes da Opep+ disseram à Reuters na sexta-feira que cortes estavam sendo discutidos em opções para a sessão de domingo. Duas outras fontes disseram que cortes adicionais são improváveis.

A Opep realizou um briefing separado no sábado, mas os ministros não comentaram sobre possíveis decisões políticas depois.

As três fontes disseram que os cortes seriam de 1 milhão de bpd além dos cortes voluntários existentes de 2 milhões de bpd e 1,6 milhão de bpd, uma medida surpresa anunciada em abril que entrou em vigor em maio.

Se aprovado, isso levaria a redução total para 4,66 milhões de bpd, ou 4,5% da demanda global.

“Esse número é preliminar, não abordamos essas coisas (ainda)”, disse o ministro do petróleo do Iraque, Hayan Abdel-Ghani, antes das reuniões, quando questionado sobre o corte de 1 milhão de bpd.

Os cortes na produção geralmente entram em vigor um mês após serem acordados, mas os ministros também podem concordar em implementá-los posteriormente. Eles podem decidir manter a saída consistente.

READ  O fundador da FTX acusado, Bankman-Fried, está instando o tribunal a rejeitar as acusações

O Ocidente acusou a Opep de manipular os preços do petróleo e minar a economia global por meio dos altos custos da energia. O Ocidente acusou a Opep de ficar do lado da Rússia, apesar das sanções ocidentais sobre a invasão da Ucrânia por Moscou.

Em resposta, a impressão de dinheiro pelo Ocidente na última década alimentou a inflação e forçou os países produtores de petróleo a agir para preservar o valor de suas principais exportações, disseram membros da Opep e observadores.

Países asiáticos como China e Índia compram a maior parte das exportações de petróleo da Rússia e se recusaram a aderir às sanções ocidentais contra a Rússia.

Conversas básicas

Os ministros da Opep+ se reunirão em Viena a partir das 10h (08h00 GMT) de domingo, três horas antes do planejado originalmente, com uma reunião plenária a partir das 11h.

Duas fontes da Opep disseram que os ministros também podem discutir novas bases de produção sob as quais cada membro fará os cortes.

Essas conversas foram controversas no passado.

Países da África Ocidental, como Nigéria ou Angola, há muito não conseguem produzir de acordo com suas metas, mas resistem a linhas de base mais baixas porque novas metas podem forçá-los a fazer cortes reais.

Em contraste, os Emirados Árabes Unidos têm insistido em obter mais bases para corresponder à sua crescente produtividade, mas isso significaria que sua participação nos cortes gerais diminuiria.

“Esperamos uma resolução que preserve a estabilidade do equilíbrio entre oferta e demanda”, disse o ministro da Energia dos Emirados Árabes Unidos, Suhail Al Mazrouei, antes das reuniões.

Os ministros falaram com repórteres em hotéis em Viena. A OPEP negou o acesso de mídia à sua sede a repórteres da Reuters e de outros meios de comunicação.

READ  SpaceX lança foguete Falcon 9 transportando 22 satélites Starlink da Califórnia – Viagem espacial agora

Um anúncio surpresa da produção em abril ajudou a elevar os preços do petróleo em cerca de US$ 9 o barril, para mais de US$ 87, mas eles recuaram rapidamente sob a pressão das preocupações com o crescimento econômico global e a demanda. Na sexta-feira, o Brent, referência internacional, estava cotado a US$ 76.

Na semana passada, o ministro da Energia da Arábia Saudita, príncipe Abdulaziz, disse que os investidores que apostam em preços mais baixos do petróleo ou preços em queda devem “ter cuidado”, no que muitos observadores do mercado interpretaram como um alerta sobre novos cortes na oferta.

A Agência Internacional de Energia espera que a demanda global por petróleo aumente ainda mais no segundo semestre de 2023, elevando os preços do petróleo.

Analistas do JPMorgan, no entanto, disseram que a Opep não agiu com rapidez suficiente para ajustar a oferta devido ao alto nível de produção dos EUA e às exportações russas acima do esperado.

Analistas do JPMorgan disseram em nota que cortes adicionais totalizariam cerca de 1 milhão de bpd.

(Reportagem de Ahmed Khader, Alex Lawler, Maha El Dahan e Julia Payne) Redação de Dmitry Zhdanikov; Edição de David Holmes, Frances Kerry e Christina Finzer

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *