Nawaz Sharif e Bilawal Bhutto dão as mãos, mas será que conseguirão formar o governo do Paquistão?

Esta aliança levanta muitas questões sobre liderança.

Nova Delhi:

Após as eleições de 2024 no Paquistão, dois grandes atores políticos, a Liga Muçulmana do Paquistão-Nawaz (PML-N), liderada por Nawaz Sharif, e o Partido Popular do Paquistão (PPP), liderado por Bilawal Bhutto-Zardari, anunciaram conjuntamente uma aliança. Governe a nação.

Apesar de ganhar mais assentos como candidatos independentes, o Paquistão Tehreek-e-Insaf (PTI) de Imran Khan perdeu a maioria, levando o PML-N e o PPP a colaborar na formação do governo. No entanto, esta aliança levanta muitas questões sobre a liderança, a distribuição de papéis-chave e a viabilidade global da sua parceria.

Principais jogadores e posições

Uma conferência de imprensa anunciando a aliança na terça-feira contou com a participação de líderes importantes, incluindo Shehbaz Sharif do PML-N, Asif Ali Zardari do PPP e representantes de outros partidos menores. Shehbaz Sharif, o líder do PML-N, emergiu como um possível candidato a primeiro-ministro e expressou o seu desejo de incluir o PTI de Imran Khan no governo para a melhoria do país.

A exclusão do líder do PPP, Bilawal Bhutto-Zardari, da corrida ao primeiro-ministro sinaliza um movimento estratégico para dar apoio ao PML-N. De acordo com o amanhecer, Bilawal Bhutto-Zardari admitiu que o seu partido não tinha mandato suficiente para liderar o governo. Sucessor do clã Bhutto-Zardari, o PPP rejeitou uma aliança com o PTI e aceitou o convite do PML-N, citando a recusa do PTI em cooperar.

Últimas e principais notícias sobre NDTV

Crédito da foto: AFP

A líder do PML-N, Maryam Aurangzeb, anunciou que Nawaz Sharif, de 74 anos, nomeou seu irmão mais novo, Shahbaz Sharif (72), como o próximo primeiro-ministro do Paquistão.

Nawaz Sharif agradeceu aos partidos políticos por apoiarem o PML-N (na formação do novo governo) e expressou esperança de que o Paquistão emergiria da crise através de tais decisões.

READ  Writers Guild, encontro AMPTP continua pelo 3º dia; CEOs do estúdio se reúnem na sexta-feira - prazo final

No entanto, Imran Khan, que está actualmente preso por acusações de corrupção, recusou-se a cooperar, preparando o terreno para potenciais tensões políticas. A distribuição dos cargos-chave dentro da coligação não é clara, deixando espaço para negociações e especulações.

números

A coligação enfrenta o desafio de formar um governo com o mínimo exigido de 169 assentos na Assembleia Nacional de 336 membros do Paquistão e alcançar uma maioria de dois terços nos 224 assentos.

A Comissão Eleitoral do Paquistão, coligação liderada por Shehbaz Sharif, composta por PML-N, PPP, MQM-P, PML-Q, IPP, BAP, conquistou um total de 152 assentos gerais nas recentes eleições. De acordo com o amanhecerA adição de 60 mulheres e 10 assentos minoritários ultrapassará o mínimo de 169 assentos necessários para formar um governo de coligação.

Contudo, alcançar os 224 assentos necessários para uma maioria de dois terços na assembleia de 336 membros continua a ser um obstáculo crítico.

O destino dos assentos reservados depende dos resultados de 101 independentes, dos quais venceram 92 independentes apoiados pelo PTI.

Dinâmica interna

O PML-N anunciou Shahbaz Sharif como seu candidato a primeiro-ministro, inicialmente expressando seu desejo de que Nawaz Sharif retornasse ao cargo. Mais tarde, foi esclarecido que Nawaz Sharif apoiou Shahbaz como líder. Além disso, a filha de Nawaz Sharif, Maryam Nawaz, foi nomeada como candidata da aliança para o cargo de Ministro-Chefe do Punjab.

Asif Ali Zardari, co-presidente do PPP, defendeu a inclusão sugerindo conversações com o PTI de Imran Khan.

Desafios e perguntas sem resposta

Várias questões permaneceram sem resposta na conferência de imprensa conjunta, criando incerteza sobre a estabilidade da coligação e a capacidade de formar um governo funcional. A falta de detalhes sobre a distribuição de papéis-chave e o processo de formação do governo sublinha a necessidade de mais negociações entre os parceiros da coligação.

As alegações de fraude eleitoral durante as eleições e o facto de a rede móvel do país ter sido desligada no dia das eleições acrescentaram um elemento de controvérsia. Imran Khan anunciou que abrirá um processo contra os resultados eleitorais no Supremo Tribunal.

O sucesso da coligação na formação do próximo governo depende de negociações eficazes, da unidade interna e da resposta aos desafios colocados pelas alegações de fraude eleitoral.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *