Guerra Israel-Gaza: EUA fazem voo de primeiros socorros para Faixa

Título do vídeo,

ASSISTA: EUA lançam ajuda humanitária de pára-quedas em Gaza

Os Estados Unidos fizeram a sua primeira entrega de ajuda humanitária a Gaza, com três aviões militares lançando de paraquedas mais de 30.000 alimentos.

A operação, realizada em conjunto com a Força Aérea da Jordânia, foi a primeira de várias anunciadas pelo presidente Joe Biden.

Ele prometeu aumentar a ajuda depois que pelo menos 112 pessoas morreram em uma debandada na quinta-feira.

O lançamento aéreo ocorre depois que um alto funcionário dos EUA disse que a estrutura para um cessar-fogo de seis semanas em Gaza estava em vigor.

Um funcionário do governo Biden disse no sábado que Israel “aceitou mais ou menos” um novo acordo de cessar-fogo.

“Se o Hamas concordar em libertar reféns vulneráveis ​​(…) os doentes, os feridos, os idosos e as mulheres, um cessar-fogo de seis semanas entrará em vigor em Gaza a partir de hoje”, disse a autoridade não identificada.

Os mediadores deverão reunir-se novamente no Cairo no domingo, e as autoridades egípcias dizem que representantes do Hamas e de Israel deverão participar nas conversações.

Algumas questões técnicas em torno do potencial acordo ainda precisam de ser resolvidas, tais como quantos prisioneiros palestinianos Israel libertaria em troca de reféns detidos pelo Hamas, disse um responsável.

No sábado, aviões de transporte C-130 lançaram mais de 38 mil refeições na Faixa de Gaza, informou o Comando Central dos EUA em comunicado.

“Estes lançamentos aéreos fazem parte de um esforço contínuo para levar mais ajuda a Gaza, inclusive através da expansão do fluxo de ajuda através de rotas e rotas terrestres”, acrescentou.

Outros países, incluindo o Reino Unido, França, Egipto e Jordânia, já forneceram ajuda aérea em Gaza, mas esta é a primeira dos EUA.

Funcionários do governo disseram que o “trágico incidente” de quinta-feira destacou “a importância de expandir e sustentar a assistência humanitária dentro de Gaza em resposta ao agravamento da situação humanitária”.

legenda da imagem,

Dezenas de pessoas estão sendo tratadas no Hospital Al-Shifa após a tragédia de quinta-feira

As agências humanitárias afirmaram que os lançamentos aéreos são uma forma ineficiente de entregar ajuda.

Medat Taher, um residente deslocado de Gaza, disse à agência de notícias Reuters que tal sistema era extremamente mau.

“É suficiente para uma escola? É suficiente para 10 mil pessoas?” ele disse. “Enviar ajuda através de travessias é melhor do que lançar via aérea através de pára-quedas.”

Na sua declaração de sexta-feira, o presidente Biden disse: “Os Estados Unidos insistirão para que Israel obtenha mais camiões e mais rotas para obter a ajuda de que necessita”.

A vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, se reunirá com o membro do gabinete de guerra israelense, Benny Gantz, em Washington, na segunda-feira, para discutir o cessar-fogo e outras questões, informou a Reuters, citando um funcionário da Casa Branca.

No incidente de quinta-feira, 112 pessoas morreram e mais de 760 ficaram feridas enquanto cercavam caminhões de ajuda humanitária no extremo sudoeste da Cidade de Gaza.

O Hamas acusou Israel de disparar contra civis.

Georgios Petropoulos, chefe do sub-escritório de Gaza do Coordenador da ONU para Assuntos Humanitários (OCHA), disse à BBC que ele e uma equipe enviada ao hospital al-Shifa encontraram dezenas de pessoas feridas a bala.

Título do vídeo,

ASSISTA: Devastação após dezenas de mortos na operação de ajuda a Gaza

Enquanto isso, o Hamas disse que um bombardeio israelense contra um campo em Rafah, no sul de Gaza, matou pelo menos 11 pessoas no sábado. O chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, classificou o ataque como “horrível”. Os militares de Israel disseram ter realizado um “ataque de precisão” contra militantes da Jihad Islâmica na área.

O Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas alertou para a fome iminente no norte de Gaza, que recebeu muito pouca ajuda nas últimas semanas e 300 mil pessoas vivem com pouca comida ou água potável.

Depois de matar cerca de 1.200 pessoas no sul de Israel e de fazer 253 reféns em Gaza, em 7 de Outubro, os militares israelitas lançaram uma campanha aérea e terrestre em grande escala para destruir o Hamas.

Mais de 30 mil pessoas, incluindo 21 mil crianças e mulheres, foram mortas em Gaza, 7 mil estão desaparecidas e pelo menos 70.450 ficaram feridas, segundo o Ministério da Saúde de Gaza, administrado pelo Hamas.

READ  Rams WR Cooper Kupp (músculo posterior da coxa) começará a temporada no IR

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *