Greves em aeroportos alemães forçaram o cancelamento de centenas de voos

Comente

Funcionários de aeroportos no norte da Alemanha devem entrar em greve na segunda-feira, forçando centenas de voos a serem cancelados e dezenas de milhares de passageiros afetados.

O sindicato regional Verdi convocou a greve dos trabalhadores nos aeroportos de Berlim, Hamburgo, Hanover e Bremen. Trabalhadores de segurança no aeroporto de Brandemburgo, em Berlim, estão em greve após um acordo coletivo de trabalho fracassado sobre o pagamento de trabalho noturno e de fim de semana.

A ação conjunta é a mais recente de uma série de manifestações trabalhistas em toda a Europa neste inverno.

Uma greve no aeroporto de Berlim forçou o cancelamento de 200 voos de partida, afetando 27.000 passageiros. Perceber disse o site da cidade.

Aeroporto de Hamburgo avisou “Partidas regulares não são possíveis” de domingo 22:00 a segunda-feira 23:00. O aeroporto disse que os voos que chegam “ainda são possíveis”, mas podem ser adiados ou cancelados. Pelo menos 123 voos de partida programados para segunda-feira serão afetados e 121 voos de chegada podem sofrer atrasos ou cancelamentos, disse o aeroporto. Mais de 30.000 passageiros podem ser afetados, disse.

O aeroporto disse que os voos no sábado e na terça-feira estavam com “overbooking” para compensar os cancelamentos.

A Lufthansa disse em um e-mail que espera “grandes interrupções nas operações de voo e um número significativo de cancelamentos de voos” na Alemanha na segunda-feira.

A companhia aérea está notificando os clientes, oferecendo rotas de voo alternativas e, se possível, remarcando em trens, disse um porta-voz da Lufthansa, observando que a greve foi uma disputa entre o sindicato e os aeroportos, não as companhias aéreas. Espera-se que as operações voltem ao normal a partir de terça-feira, disse o porta-voz.

READ  Guerra Rússia-Ucrânia: EUA enviarão outro sistema de mísseis Patriot para a Ucrânia

A Alemanha não está sozinha em sofrer greves neste inverno. Cerca de meio milhão de trabalhadores – de professores a motoristas de ônibus e funcionários de aeroportos – abandonaram seus empregos na Grã-Bretanha no mês passado em meio a disputas sobre salários e condições de trabalho. A Grã-Bretanha, como muitos países europeus, foi atingida por uma inflação desenfreada e pelo aumento do custo de vida desde a guerra na Ucrânia, o que contribuiu para o aumento dos preços dos alimentos e do combustível.

A Grã-Bretanha parou quando meio milhão de trabalhadores entraram em greve

Milhares de trabalhadores franceses protestaram na semana passada contra o plano do presidente francês, Emmanuel Macron, de aumentar a idade de aposentadoria de 62 para 64 anos. O Senado francês aprovou a medida na noite de sábado.

Greves francesas que interromperam voos, trens e transporte público na semana passada devem ser retomadas na quarta-feira, já que o projeto de lei deve ser revisado pelos legisladores. Reuters informou.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *