Exército israelense entra no hospital al-Shifa em Gaza

Abra o Editor’s Digest gratuitamente

As forças israelenses entraram no hospital al-Shifa, em Gaza, para conduzir o que os militares descreveram como uma “operação precisa e direcionada” contra o Hamas, horas depois de os EUA apoiarem o que disseram que o grupo militante havia armazenado armas em instalações médicas.

Isso aconteceu depois que as tropas israelenses cercaram o maior hospital da Faixa sitiada na manhã de quarta-feira, onde pacientes e milhares de pessoas se abrigavam dos bombardeios israelenses na área costeira.

Os combates duram dias nas ruas ao redor do hospital entre as forças israelenses e os militantes do Hamas.

Al-Shifa, que fechou no fim de semana devido à falta de combustível, é uma base significativa para as operações do Hamas, diz Israel, porque fica no topo da infraestrutura subterrânea do grupo islâmico, que os militares israelenses pretendem destruir.

As Forças de Defesa de Israel disseram em comunicado na plataforma de mídia social X que sua operação em uma “área específica” do hospital era “baseada em informações de inteligência e necessidade operacional”.

Os médicos de um hospital na Cidade de Gaza negaram repetidamente que o hospital esteja a ser utilizado para operações militares do Hamas. Um porta-voz do governo em Gaza, controlada pelo Hamas, descreveu o avanço israelense ao hospital como um “crime de guerra, um crime moral e um crime contra a humanidade”.

O hospital tem cerca de 9.000 pessoas, disse o porta-voz.

Horas antes de Israel anunciar o ataque a al-Shifa, John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, disse aos repórteres que o Hamas e a Jihad Islâmica Palestina, um pequeno grupo militante baseado em Gaza, “armazenaram armas” e “prepararam” o ataque. hospital. em resposta à ação militar israelense contra aquela instalação”.

READ  Quanta neve caiu ontem? — NBC Boston

Kirby acrescentou que o Hamas estava usando hospitais, incluindo Al-Shifa e os túneis abaixo deles, para manter reféns.

Mas ele disse que Washington não apoia um ataque aéreo a um hospital e “não quer atirar em um hospital onde pessoas inocentes, pessoas indefesas, pessoas doentes estão tentando obter os cuidados médicos que merecem”.

A situação desesperadora nos hospitais de Gaza está a causar tensão entre Israel e os seus aliados ocidentais, com os Estados Unidos, a França e outros países ocidentais a pressionarem cada vez mais Israel a exercer controlo sobre as operações perto de instalações médicas.

O presidente dos EUA, Joe Biden, alertou esta semana que os hospitais “precisam ser protegidos”: “Minha esperança e expectativa é que haja uma operação menos invasiva em comparação com os hospitais”.

As IDF disseram que alertaram repetidamente publicamente que o uso militar contínuo do hospital Shifa pelo Hamas colocava em risco o seu status protegido pelo direito internacional.

Mohamed Jagout, diretor-geral dos hospitais em Gaza, disse à rede de televisão Al Jazeera que conversou com a equipe de al-Shifa: “Nem um único tiro foi disparado de dentro do complexo hospitalar”.

“Não houve resistência, é normal porque é um hospital civil”, disse Zagout à Al Jazeera, enquanto as forças israelenses se deslocavam para um porão contendo uma sala de emergência e equipamento de radiologia.

Todos, exceto um dos outros hospitais no norte de Gaza, cessaram as operações enquanto os militares de Israel sitiavam a área como parte da sua guerra de cinco semanas contra o Hamas.

Gaza, onde vivem 2,3 milhões de pessoas, tem vivido uma crise humanitária cada vez mais profunda desde que Israel lançou um ataque retaliatório contra o Hamas, depois de o grupo militante islâmico ter lançado um ataque devastador em 7 de Outubro.

Cerca de 1.200 pessoas foram mortas e cerca de 240 reféns foram feitos no ataque do Hamas ao sul de Israel, disseram autoridades israelenses.

READ  Margens em dólares sobem após vendas no varejo nos EUA; teto de crédito focado

De acordo com autoridades de saúde palestinas, mais de 11 mil palestinos foram mortos pelos bombardeios israelenses em Gaza.

As forças israelitas lançaram uma ofensiva terrestre na costa no mês passado e cercaram a cidade de Gaza, a principal base política e militar do Hamas.

Mais de 1,5 milhões de pessoas foram forçadas a abandonar as suas casas em Gaza e milhares procuraram refúgio em hospitais, enquanto o sistema de saúde entrou em colapso.

O braço humanitário da ONU disse que 32 pacientes – incluindo três bebês prematuros – morreram em al-Shifa desde sábado devido à falta de energia e às “condições deploráveis” no hospital.

Depois que as incubadoras pararam de funcionar devido à falta de eletricidade, os médicos envolveram os bebês em celulares para mantê-los vivos, alertou seu diretor, Mohamed Abu Silmayeh, no sábado.

O Ministério da Saúde palestiniano em Gaza disse esta terça-feira que 170 pessoas foram enterradas numa vala comum no pátio de al-Shifa, citando “dificuldade em enterrá-las” “devido ao cerco imposto por todos os lados”.

O ministério disse na segunda-feira que mais de 100 corpos começaram a se decompor em Al-Shifa e que o “cheiro de cadáveres” estava por toda parte.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *