Cardeal Peque: Tribunal do Vaticano condena ex-conselheiro papal por crimes financeiros

  • Em Roma por David Giglione e Mark Lowen, correspondente em Roma
  • BBC Notícias

fonte da imagem, Boas fotos

legenda da imagem,

Cardeal Bequeu pretende recorrer do veredicto

Um tribunal do Vaticano condenou o cardeal italiano Angelo Pecchio, antigo conselheiro do Papa Francisco, a cinco anos e meio de prisão por crimes financeiros.

Peque, de 75 anos, é o funcionário mais graduado do Vaticano a enfrentar tais acusações e já foi visto como um candidato papal.

A investigação centrou-se no negócio imobiliário de Londres, que causou enormes prejuízos à Igreja Católica.

Ele negou veementemente as acusações de peculato e abuso.

O advogado do Cardeal Begue disse que o seu cliente é inocente e irá recorrer.

Ele estava sendo julgado junto com outros nove réus. Todos foram condenados por alguns crimes e inocentes de outros.

O caso, que expôs lutas internas e manipulação nos mais altos escalões do Vaticano, arrastou-se por dois anos e meio.

Depois de três juízes deliberarem durante mais de cinco horas, o presidente do tribunal, Giuseppe Pignadone, anunciou que o Cardeal Peque foi condenado por corrupção.

Outros, que incluíam financiadores, advogados e ex-funcionários do Vaticano, foram acusados ​​de vários crimes, incluindo fraude, lavagem de dinheiro e abuso de poder. Todos negaram qualquer irregularidade.

“Reafirmamos a inocência do cardeal Angelo Becciu e apelaremos”, disse o advogado de Becciu, Fabio Viglione, após o veredicto. “Respeitamos a decisão, mas certamente apelaremos”.

O caso – o primeiro julgamento de um cardeal perante um tribunal do Vaticano – é motivo de intriga e trapaça. Inclui alegações de má conduta financeira no topo do Vaticano, o tipo de actividade clandestina que muitas vezes caracteriza o mundo secreto da Santa Sé.

Não se centra no Vaticano ou em Roma, mas num edifício a mil quilómetros de distância, em Londres – 60 Sloane Avenue, um antigo armazém propriedade da loja de departamentos Harrods, no acolhedor Chelsea.

legenda da imagem,

O Cardeal Peque (L) foi um conselheiro próximo do Papa Francisco.

Em 2014, o Vaticano gastou mais de 200 milhões (220 milhões de dólares; 170 milhões de libras) para comprar uma participação de 45% no edifício, que estava planeado para ser convertido em apartamentos de luxo. Em 2018, a Secretaria de Estado do Vaticano decidiu comprar a propriedade na sua totalidade, investindo mais 150 milhões de euros na compra. Supostamente, o signatário de todo o acordo foi o Cardeal Piqueu, o vigário do Vaticano para os assuntos públicos na altura – na verdade, o comandante-chefe do Papa.

Parte do dinheiro foi usado para fins de caridade, pago a uma fundação dirigida pelo financista italiano Raffaele Mincione, com sede em Londres, que organizou a compra. Mais tarde, quando o secretariado procurou ajuda financeira do próprio banco do Vaticano, isso despertou preocupação – e uma rusga levada a cabo pela polícia do Vaticano levou a acusações contra Bequieu, Mincione e outros oito.

Mas a investigação sobre os assuntos de Bechiu não se limitou ao negócio imobiliário em Londres.

O cardeal também é acusado de pagar grandes somas de dinheiro à sua própria diocese na Sardenha, algumas das quais teriam beneficiado a sua família. Diz-se que pagou quase 600 mil euros a outra acusada, Cecilia Marogna, para ajudar a libertar uma freira raptada no Mali. Os promotores disseram que ele gastou mais dinheiro em bens de luxo e férias. Marogna, que ofereceu seus serviços ao Vaticano como especialista em inteligência, visitou diversas vezes a residência de Bechieu. Ambos negaram ter feito sexo.

As acusações contra Becciu fazem dele o primeiro cardeal a ser julgado por crimes financeiros. Isso levou o Papa Francisco a incluir o direito de voto num futuro conclave para eleger o sucessor de Francisco.

Depois de ter sido excomungado pelo Papa em 2020, deu uma conferência de imprensa declarando a sua inocência.

“Até às 18h02 de quinta-feira, senti-me um amigo do Papa e um fiel executor do seu testamento”, disse o Cardeal Bechiu. “Então o Papa diz que não tem mais fé em mim.”

Todo o caso tornou-se um teste para o objectivo do Papa Francisco de corrigir as finanças do Vaticano, que há muito têm sido atormentadas pela corrupção, expulsando o seu antecessor, Bento XVI, do papado.

O resultado do caso poderá ter implicações significativas para o legado de Francisco como reformador.

READ  Vencedores do Globo de Ouro 2024: atualiza a lista

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *