Airbus amplia liderança sobre Boeing na China

Nova York (CNN) A Airbus anunciou planos para uma segunda linha de montagem final na China na quinta-feira, o mais recente sinal de que detém o controle do principal mercado de companhias aéreas sobre a rival Boeing.

Este anúncio veio em parte O presidente francês Emmanuel Macron está em visita de Estado à China. O presidente chinês Xi Jinping e Macron testemunharam a assinatura do acordo pelo CEO da Airbus, Guillaume Faury.

Ele adicionará outra linha à instalação de montagem final que a Airbus abriu em Tianjin, na China, em 2008, que deu os retoques finais em 600 A320 até o momento.

Airbus (EADSF) Ela opera quatro locais de montagem em todo o mundo, mas a indústria de aviação da China, em particular, deve crescer 5,3% ao ano nos próximos 20 anos, significativamente mais rápido do que a média global de 3,6%.

Isso levará a uma demanda de 8.420 aeronaves de passageiros e de carga entre agora e 2041, que a Airbus prevê que será mais de 20% da demanda mundial total por novas aeronaves.

Boeing (BA) Tem projeções semelhantes para a demanda de aeronaves da China.

As relações comerciais foram tensas

Mas o agravamento das relações comerciais entre os EUA e a China essencialmente bloqueou a Boeing de um importante mercado para o avião. O acordo de quinta-feira inclui a venda de mais 160 aeronaves Airbus para a China, onde mais de 2.100 aeronaves já estão em serviço.

A Boeing não informou nenhum pedido de aeronaves comerciais de passageiros de companhias aéreas chinesas desde 2017, apenas para pedidos de empresas chinesas de leasing de aeronaves em nome de compradores fora da China ou para aeronaves de carga. A Boeing domina.

READ  Pelo menos nove pessoas morreram em um tumulto em um estádio de El Salvador, informou a polícia

As entregas da Boeing para clientes chineses também caíram. A China Air Cargo entregou apenas um cargueiro 777 até agora este ano e apenas 12 jatos para 2022: oito cargueiros e quatro para a empresa de leasing.

Em 2017, o governo Trump impôs pela primeira vez tarifas sobre as importações de produtos chineses dos EUA, provocando um frenesi comercial que levou a Boeing a entregar 161 jatos à China, com um pouco mais no ano seguinte. Mas as entregas da Boeing para a China caíram com o aterramento do 737 Max e a demanda por viagens aéreas despencou devido à pandemia. 45 em 2019 e 27 nos três anos seguintes.

O 737 Max mais vendido da Boeing, um rival da família A320 que a Airbus está encerrando na China, continua tendo problemas para voltar ao mercado chinês. 20 meses de pouso Começou em março de 2019 Dois acidentes fatais Um total de 346 pessoas foram mortas.

A China foi um dos últimos países a ir Deixe o avião voar De volta ao seu espaço aéreo, mesmo com essa permissão, nenhum dos clientes chineses do avião aceitou a entrega dos 138 Boeings construídos para eles no solo, que ainda estão no estoque da fabricante de aviões. A Boeing foi forçada a encontrar compradores para alguns desses aviões com desconto.

O 737 Max também perdeu a concorrência com a família A320 fora da China, mas não com a paralisação total que a Boeing está enfrentando na China.

O CEO da Boeing, Dave Calhoun, disse que tudo o que a Boeing pode fazer é esperar e esperar que as relações entre os dois países melhorem para que possa retomar vendas e entregas significativas na China.

READ  É incerto quando o running back dos 76ers Joel Embiid (joelho) retornará

“Minha esperança é que essas duas grandes potências geopolíticas se unam e reautorizem o livre comércio… para que possam distribuir mais aviões”, disse Calhoun a investidores em outubro.

“Mas acho muito difícil encontrar sinais na China de que as coisas estão mudando e se movendo em nossa direção”, acrescentou.

— Jake Kwan em Hong Kong contribuiu para este artigo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *