A visita de Blingen à China ocorre em um momento em que Pequim enfrenta desafios econômicos

A expectativa da iminente visita do secretário de Relações Exteriores Anthony Blinken a Pequim foi, na melhor das hipóteses, morna.

Depois de meses de impasse diplomático após a descoberta de um balão chinês flutuando sobre os EUA – atrapalhando a viagem original de Blingen a Pequim em fevereiro – as autoridades chinesas e americanas enfrentam uma lacuna enorme entre seus interesses e posições.

Uma viagem provavelmente não fará muito para mudar isso.

“Na verdade, o lado chinês não está confiante de que a visita de Blinken levará a resultados significativos. Você pode dizer que a China não confia nesta reunião”, disse Wang Yong, diretor do Centro de Economia Política Internacional da Universidade de Pequim.

Blinken, disse ele, “provavelmente não seria muito bem-vindo”.

Em um telefonema com Blinken na quarta-feira, o ministro das Relações Exteriores da China, Qin Gang, disse que “está claro onde está a responsabilidade” quando se trata dos desafios enfrentados pelo relacionamento EUA-China.

Por trás da recepção fria da China, há uma nova esperança. Durante meses, a China recebeu líderes mundiais, incluindo parceiros dos EUA, como o presidente francês, Emmanuel Macron, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula van der Leyen – e mediou com sucesso conflitos como o racha saudita-iraniano.

Pequim se ofereceu para fazer o mesmo na crise da Ucrânia, apresentando-se como um pacificador e falhando com os EUA. No mês passado, seu representante especial para assuntos eurasianos, Li Hui, viajou à Ucrânia e à Rússia para apresentar a proposta da China para acabar com o conflito.

Nesta semana, Xi recebeu o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, em Pequim, onde os chineses apresentaram um plano de três frentes para resolver o conflito israelense-palestino. Honduras, que cortou relações com Taiwan para reconhecer a China em março, abriu uma embaixada em Pequim no domingo.

“A China fez progressos diplomáticos e pode sentir que são as condições certas para lidar com os Estados Unidos nesta situação”, disse Zhao Mingao, professor do Instituto de Estudos Internacionais da Universidade Fudan de Xangai.

READ  Como assistir Kaitlyn Clark quebrar o recorde de pontuação feminina da NCAA quando Iowa enfrentar Michigan esta noite

Mesmo quando Pequim tenta estabelecer uma ordem mundial separada, não dominada pelos Estados Unidos, a China ainda precisa – e quer – de investimento e comércio americanos.

A China enfrenta crescimento lento, registrando estagnação imobiliária, alto desemprego juvenil e redução do investimento estrangeiro. O banco central da China cortou as principais taxas de juros nesta semana e novos dados econômicos mostraram que sua recuperação pós-pandemia perdeu força.

É por isso que as autoridades chinesas adoram executivos como Bill Gates, que se reuniu com Xi na sexta-feira.

A mídia estatal chinesa informou que o cofundador da Microsoft foi o primeiro “amigo americano” que conheceu em Pequim este ano, durante uma reunião com Ge Gates. Xi acrescentou que o futuro das relações sino-americanas está com o povo.

Jamie Dimon, CEO do JP Morgan, CEO da Starbucks Laxman Narasimhan e o CEO da Tesla e do Twitter, Elon Musk, viajaram para Pequim no mês passado para promover seus interesses comerciais.

Apesar das tensões, Musk e Dimon não estão sozinhos na China

“A China espera que o relacionamento entre a China e os Estados Unidos possa ser melhorado para ajudar em sua recuperação econômica e outros desafios econômicos”, disse Zhao, da Universidade Fudan.

Mas é difícil separar política e negócios. Na semana passada, a Sequoia Capital, uma das primeiras investidoras da ByteDance, controladora da TikTok, disse que separaria suas operações na China e nos Estados Unidos em empresas separadas. A onipresente plataforma de vídeo enfrenta várias restrições e proibições nos EUA por motivos de segurança nacional.

Ao mesmo tempo, as autoridades chinesas estão enviando mensagens contraditórias. A repressão às empresas de due diligence que operam na China, como Mintz Group e Bain & Company, enervou outras empresas estrangeiras. Executivos estrangeiros temem que uma revisão recente da lei de espionagem do país possa significar que atividades comerciais comuns possam ser consideradas ilegais.

De sua parte, o governo Biden não tornou o ambiente mais fácil. Na segunda-feira, colocou na lista negra mais de 30 empresas chinesas por venderem tecnologia dos EUA para os militares chineses e espera-se que estabeleça novos limites aos investimentos dos EUA na China. Washington já proibiu a venda de semicondutores avançados dos EUA para a China.

READ  Eni da Itália assina contrato de gás líbio de US$ 8 bilhões durante a visita do primeiro-ministro Meloni a Trípoli

“Facilitar os laços com os EUA ajudará a meta do governo de ‘comércio estrangeiro estável, investimento estrangeiro estável'”, disse Zhao, citando uma campanha do governo que ganhou urgência à medida que as autoridades chinesas pressionam para que o país reabra os negócios.

Esta é uma das razões pelas quais as autoridades chinesas não respeitam as autoridades políticas e de segurança e se reúnem com as autoridades de comércio e comércio dos EUA. O ministro do Comércio chinês, Wang Wentao, reuniu-se com a secretária de Comércio dos EUA, Gina Raimondo, e a representante comercial, Catherine Tai, no mês passado.

Nas palavras da China, está aberto para negócios. Em ação, não muito

“Pequim concordou com a visita porque parece bloquear muitas coisas, como conversas de trabalho e visitas de outros membros do gabinete”, disse Yun Sun, diretor do China Project, com sede em Washington. Stimson Center.

“Também é importante que a China não pareça estar rejeitando o diálogo, especialmente quando os Estados Unidos estão pressionando por isso”, disse ele.

Pela China, o enviado especial para o clima, John F. Kerry ou a secretária do Tesouro, Janet L. A visita abriu caminho para outras visitas de autoridades dos EUA, como Yellen, cujas opiniões sobre o lado errado da dissociação da China conquistaram seus admiradores na China.

“Nós nos beneficiamos com o comércio e o investimento sendo tão abertos quanto possível e a China se beneficia, e tentar se separar da China seria desastroso”, disse Yellen em uma audiência do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara na terça-feira.

As autoridades chinesas estão de olho na possível aparição de Xi na reunião da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC) em São Francisco em novembro, onde ele poderá se encontrar com Biden. Seu último encontro em novembro, à margem de uma cúpula de 20 membros em Bali, ajudou a aliviar as tensões.

READ  Comércio da China de janeiro a fevereiro cai novamente com demanda global desacelerando

“Se houver esperança de resultados concretos desta visita, pode ser um sinal de que o líder da China irá aos EUA para participar da APEC”, disse Wang, professor da Universidade de Pequim. Para que isso aconteça, a chegada de Blinken teria que criar “condições mais favoráveis”, afirmou.

As autoridades chinesas não divulgaram nenhum detalhe sobre a visita de Blinken. Blinken se reunirá com altos funcionários chineses, incluindo o ministro das Relações Exteriores Qin, no domingo e na segunda-feira, disse o Departamento de Estado. Seria um desprezo significativo se Shi não visse Blinken depois de se encontrar com Gates na sexta-feira.

“Dados os níveis atuais de desconfiança e tensão no relacionamento, um bom resultado seria uma melhor compreensão das preocupações e linhas vermelhas de cada lado, bem como um progresso modesto em áreas de interesse mútuo”, disse Jessica Chen Weiss, professora da Cornell. Universidade. Concentra-se nas relações EUA-China.

Casa Branca diz que Cuba hospeda agência de espionagem chinesa

De acordo com Wang, da Universidade de Pequim, a China também tem áreas em que pode se comprometer e cooperar. Isso inclui mudanças climáticas, saúde pública e esforços antidrogas.

No entanto, um importante ponto de discórdia para Pequim continua sendo o apoio dos EUA a Taiwan, que a China teme prejudicar a adesão dos EUA à política de “uma China”. Essa política reconhece a República Popular da China como o único governo legal da China, mas não chega a reconhecer as reivindicações de Pequim a Taiwan.

“A China não tem ilusões sobre os EUA mudarem sua posição em relação a Taiwan”, disse Lau Siu-kai, um distinto professor do Departamento de Sociologia da Universidade Chinesa de Hong Kong.

“Sem a possibilidade de preencher a lacuna entre os dois lados nessas questões, qualquer reaproximação é impossível.”

Pei-Lin Wu contribuiu para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *