A Turquia votará nas eleições e Erdogan enfrentará a derrota

  • Pesquisas de opinião mostram oposição à beira do abismo
  • O resultado sai até domingo à noite
  • A segunda etapa será realizada em 28 de maio, se não mais de 50%
  • Erdogan votou em Istambul, rival Kilicdaroglu em Ancara

ISTAMBUL, 14 Mai (Reuters) – Os turcos votaram no domingo em uma disputa que encerrará o governo de 20 anos do presidente Tayyip Erdogan nos 100 anos de história do país e reverberará muito além das fronteiras da Turquia.

A votação presidencial determinará não apenas quem lidera a Turquia, um país membro da Otan de 85 milhões, mas também como ela é governada, para onde sua economia está indo em meio a uma profunda crise de custo de vida e a forma de sua política externa.

As pesquisas deram ao principal adversário de Erdoğan, Kemal Kilicdaroglu, que lidera a coalizão de seis partidos, uma ligeira vantagem, com duas pesquisas na sexta-feira mostrando-o acima do limite de 50% necessário para vencer. Se mais de 50% dos votos não forem recebidos no domingo, a segunda fase da votação será realizada no dia 28 de maio.

As urnas foram encerradas oficialmente às 17h (14h no horário de Brasília), após nove horas de votação. A comunicação dos resultados não é permitida antes das 21h, portanto os primeiros sinais de resultados podem não surgir até a noite. No entanto, os funcionários eleitorais podem decidir permitir que a mídia relate os resultados com antecedência.

A eleição está sendo observada de perto nas capitais ocidentais, Oriente Médio, OTAN e Moscou, com Erdogan atrás de seu rival Kemal Kilicdaroglu.

Uma derrota para Erdogan, um dos aliados mais importantes do presidente Vladimir Putin, preocuparia o Kremlin, mas confortaria o governo Biden e muitos líderes europeus e do Oriente Médio que tiveram relações problemáticas com Erdogan.

READ  A previsão de neve em Denver, Colorado, diz que mais de trinta centímetros é possível

O líder de longa data da Turquia transformou o membro da OTAN e o segundo maior país da Europa em um player global, modernizando-o com megaprojetos como novas pontes, hospitais e aeroportos e construindo uma indústria militar procurada por países estrangeiros.

Mas sua política econômica errática de baixas taxas de juros, crise do custo de vida e inflação o tornaram alvo da ira do eleitor. A resposta lenta de seu governo a um terremoto devastador no sudeste da Turquia, que matou 50.000 pessoas, aumentou a consternação dos eleitores.

Kilicdaroglu prometeu colocar a Turquia em um novo rumo, renovando a democracia após anos de repressão estatal, retornando às políticas econômicas ortodoxas, capacitando instituições que perderam autonomia sob o domínio de Erdogan e reconstruindo laços frágeis com o Ocidente.

Milhares de presos políticos e ativistas podem ser libertados se a oposição vencer, incluindo nomes importantes como o líder curdo Selahtin Demirtas e o filantropo Osman Gavala.

política polarizada

“Vejo essas eleições como uma escolha entre democracia e ditadura”, disse Ahmet Kalkan, de 64 anos, ao votar em Klikdaroglu em Istambul, ecoando os críticos que temem que Erdogan governará de forma ainda mais autocrática se vencer.

“Escolhi a democracia e espero que meu país escolha a democracia”, disse Kalkan, funcionário aposentado do departamento de saúde.

Erdogan, de 69 anos e veterano de uma dezena de vitórias eleitorais, diz que valoriza a democracia e nega ser um ditador.

Explicando como o presidente ainda recebe apoio, Mehmet Akif Kahraman, pesquisador de Istambul, disse que Erdogan representa o futuro depois de duas décadas no poder.

“Se Deus quiser, a Turquia será um líder mundial”, disse ele.

Os eleitores de outras partes do país também votaram a favor e contra Erdogan, uma figura polarizadora na esperança de estender seu mandato como o governante mais antigo desde a fundação da Turquia moderna, 100 anos atrás.

Erdogan falou com um repórter de televisão na estação de votação, apertando as mãos dos funcionários eleitorais e votando em Istambul.

“Oramos a Deus por um futuro melhor para nosso país, nação e democracia turca”, disse ele. Mais tarde, ele foi para Ancara, embora tenha dito que estava monitorando a eleição de Istambul.

Kilicdaroglu, de 74 anos, foi aplaudido pela multidão que esperava enquanto votava em Ancara.

“Ofereço meu mais sincero amor e respeito a todos os meus concidadãos que vão às urnas e votam. Todos nós sentimos muita falta da democracia”, disse ele à mídia reunida.

A votação parlamentar é uma disputa acirrada entre o Partido AK (AKP) de raízes islâmicas de Erdogan e a Aliança do Povo, que inclui o nacionalista MHP e outros, e a coalizão Nation de Kilikdaroğlu, que inclui seis partidos de oposição, incluindo seu secular Partido Republicano (CHP). Mustafa Kemal Ataturk foi o fundador da Turquia.

A votação está sendo monitorada por uma missão da Organização para Segurança e Cooperação na Europa, que disse que entregará um relatório preliminar sobre suas conclusões na segunda-feira.

Mudança ou Continuidade

Erdogan, um poderoso orador e mestre de campanha, fez todas as paradas na campanha. Ele exige lealdade feroz de turcos devotos que antes se sentiam privados de direitos na Turquia secular e sua carreira política sobreviveu a uma tentativa de golpe em 2016 e a vários escândalos de corrupção.

READ  Ações caem com títulos após aumento de rendimento dos EUA: encerramento dos mercados

No entanto, a expulsão de Erdogan pelos turcos viu sua prosperidade e capacidade de atender às necessidades básicas diminuir, com a inflação subindo para 85% em outubro de 2022 e um colapso na lira.

Kilicdaroglu diz que está tentando devolver a Turquia a uma forma parlamentar de governo, longe da presidência executiva de Erdogan, que foi aprovada em um referendo de 2017. Ele também prometeu restaurar a independência do judiciário, que os críticos dizem que Erdogan usou para suprimir a dissidência.

Erdogan controlou rigidamente a maioria das instituições da Turquia, marginalizando liberais e críticos. A Human Rights Watch, em seu Relatório Mundial 2022, observou que o governo de Erdogan atrasou o recorde de direitos humanos da Turquia por décadas.

Os eleitores curdos, que compõem 15-20% do eleitorado, desempenharão um papel importante, e é improvável que a Coalizão Nacional alcance uma maioria parlamentar por conta própria.

O pró-curdo Partido Democrático do Povo (HDP) não faz parte da principal coalizão de oposição, mas continua ferozmente contra Erdogan após uma repressão a seus membros nos últimos anos.

Escrito por Alexandra Hudson, edição por Frances Kerry

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *