A reunião de 3 horas terminou com a FAA dizendo que a Boeing não poderia aumentar a produção do avião Max até que a qualidade fosse corrigida.

Jason Redmond/AFP/Getty Images

Uma aeronave Boeing 737 Max é retratada na fábrica da Boeing em Renton, Washington, em 18 de novembro de 2020.


Washington
CNN

Os executivos da Boeing ofereceram grandes mudanças no processo de fabricação e nos sistemas de segurança da empresa durante uma reunião de três horas com a Administração Federal de Aviação na quinta-feira. O esquema visa tranquilizar o público, os clientes das companhias aéreas e os reguladores de que as aeronaves da empresa em dificuldades são seguras para voar.

O administrador da FAA, Mike Whittaker, disse após a reunião que “este é um guia para uma nova maneira de fazer negócios para a Boeing. Ele espera que a empresa faça uma” mudança sistemática “.

No futuro, os líderes da Boeing e da FAA disseram que se reunirão semanalmente para discutir o progresso do programa e que a FAA realizará revisões mensais.

O plano inclui melhorar o treinamento dos funcionários, esclarecer as instruções para os trabalhadores da linha de montagem, evitar que os fornecedores enviem componentes defeituosos à Boeing e realizar auditorias adicionais da FAA, disse a agência.

A FAA ordenou que o CEO cessante da Boeing, Dave Calhoun, e seus assessores criassem um roteiro em fevereiro, depois que duas análises encontraram sérios problemas na fabricante de aviões.

A reunião incluiu Calhoun e outros líderes da agência, disse a FAA. Whittaker disse que a reunião incluiu uma “apresentação detalhada em PowerPoint dividindo o projeto em componentes”.

Whittaker disse que espera que a empresa desenvolva programas “robustos” de segurança e gestão de qualidade. Ele disse que a FAA não permitirá aumentar o número de aviões que saem de sua linha de montagem Max a cada mês até que esteja satisfeita com a qualidade da produção.

READ  Confrontos e caos no Paquistão enquanto o ex-primeiro-ministro Imran Khan enfrenta prisão: 10 pontos

“Não creio que isso vá acontecer nos próximos meses”, disse Whittaker.

A Boeing não pediu à FAA que renunciasse aos limites, disse ele. “Nem sequer tivemos discussões preliminares sobre isso”, disse ele. O CFO da Boeing esteve em uma conferência do setor na semana passada e sinalizou que a empresa não está pronta para um aumento.

Whittaker disse que a FAA mudou a forma como monitora o trabalho na linha de montagem da Boeing. “Mudamos esse modelo”, disse ele, das auditorias burocráticas aos inspetores na linha de montagem.

Whittaker disse que a FAA e a Boeing terão “engajamento contínuo”, desde inspetores diários da FAA no chão de fábrica da Boeing até reuniões semanais de alto nível e reuniões trimestrais entre o CEO e o administrador da FAA.

O trabalho na Boeing começou em seu programa de melhoria de qualidade, que envolve centenas de horas de treinamento de novos funcionários e gerentes gastando mais tempo supervisionando o trabalho na linha de produção.

As melhorias incluem 7.500 novas ferramentas e equipamentos, 400 instruções de trabalho aprimoradas e 300 horas de materiais de treinamento de funcionários, disse a empresa.

A Boeing diz que está aumentando o treinamento dos funcionários e eliminando algumas responsabilidades para que os gerentes possam passar mais tempo supervisionando os trabalhadores no chão de fábrica.

“Muitas destas ações estão em andamento e nossa equipe está comprometida em executar cada elemento do plano”, disse Calhoun.

Sua vice, Stephanie Pope, que supervisiona o programa de aviação comercial, pediu hoje aos funcionários que “continuem falando” sobre questões de segurança em um e-mail da empresa. Um pedido anterior de feedback levou a um aumento de cinco vezes nos relatórios, e parte disso está refletido no novo plano, disse a empresa.

READ  8 mortos depois que pedestres atropelaram o carro do lado de fora do abrigo de imigrantes do Texas; Motorista sob custódia

“Teremos sucesso como equipe e operaremos com segurança, qualidade e conformidade em tudo o que fizermos”, escreveu Pope, CEO da Boeing Commercial Airplanes.

A Boeing viu más notícias este ano, desde a explosão da fuselagem de um avião no ar em janeiro até inspeções dos reguladores. Uma declaração de que a Boeing é a culpada pelos principais problemas de qualidade. O novo relatório pretende mostrar que a empresa – e a Calhoun – podem transformar o que já foi um símbolo internacional de qualidade de produção.

O plano da Boeing pode lançar nova luz sobre as descobertas dos inspetores da FAA nas instalações da Boeing em Renton, Washington, que fabrica o 737 Max e sua fábrica em Wichita, Kansas, no principal fornecedor, Spirit Aerosystems. A FAA divulgou as conclusões a ambas as agências, mas está a proteger o relatório da vista do público e até agora negou os pedidos de cópias da CNN.

Nem a FAA nem a Boeing tornaram público o plano real. Whittaker disse que o projeto é da Boeing e ela pode decidir como promovê-lo.

O programa é considerado um passo importante na reconstrução da cultura e práticas de segurança O maior exportador do país.

A Boeing começou a implementar mudanças em seu processo de fabricação que, segundo ela, tornarão os aviões mais seguros. As mudanças incluem instruções mais claras para a linha de montagem, melhorias no treinamento e mais ferramentas. A empresa diz que ordenou que cada estação fosse concluída antes de um avião entrar na linha de montagem e ordenou que a Spirit não enviasse fuselagens defeituosas para a fábrica da Boeing em Renton.

Whittaker encomendou o projeto à Boeing depois de analisar as conclusões dos auditores da FAA que visitaram a linha de montagem do 737 Max da empresa. Auditores foram destacados em resposta à explosão do plugue da porta em 5 de janeiro no voo 1282 da Alaska Airlines, um Max de um mês de idade. O National Transportation Safety Board acredita que a Boeing entregou o avião à companhia aérea Segura a inserção da porta sem parafusos de chaveE Calhoun admite o “escapismo padrão”.

READ  Maior protesto na Espanha contra lei de anistia catalã atrai 170 mil

Após a explosão, a FAA aterrou os Max 9 por três semanas e ordenou uma inspeção de todas as tampas das portas.

Este é o segundo pouso desde a primeira entrega do 737 MAX em 2017. O Max 8 foi suspenso 20 meses após o acidente que matou 346 pessoas em 2018 e 2019.

O plano pode ser um dos últimos grandes marcos da Boeing sob o comando de Calhoun, que anunciou no início deste ano que se juntaria a outros executivos seniores na saída da empresa. O conselho corporativo está em busca de um novo presidente-executivo.

Estudo anterior de cultura de segurança – incluindo a FAA e especialistas externos – era mais amplo do que a linha de montagem do MAX e encontrou “uma desconexão entre a alta administração da Boeing e os membros do resto da organização no que diz respeito à cultura de segurança”. O momento não poderia ter sido pior para a empresa: a equipe estava encerrando seu trabalho quando a tampa da porta explodiu e caiu nas mesas da FAA ao mesmo tempo que os resultados iniciais da auditoria fiscal de produção.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *