A Casa Branca entrou em confronto com o DOJ por causa do relatório do procurador especial antes de sua divulgação, confirmam fontes

Os advogados do presidente disseram que o relatório violava “flagrantemente” a política do DOJ.

Num relatório divulgado na semana passada pelo procurador especial Robert Hurr, o Departamento de Justiça rejeitou os esforços dos advogados para evitar linguagem crítica à idade e memória do presidente Joe Biden, confirmaram fontes à ABC News.

Quatro pessoas familiarizadas com o assunto reconheceram a série de correspondência descrita pela primeira vez em um comunicado divulgado quinta-feira. O jornal New York Times.

Em 7 de fevereiro, Ed Siskel e Bob Bauer – os advogados do presidente – escreveram ao procurador-geral Merrick Garland, dizendo que os detalhes do relatório sobre as lembranças do presidente durante uma entrevista com investigadores “violam clara, flagrantemente e flagrantemente as políticas e o treinamento do departamento, ” mostram as letras.

O alto funcionário da Justiça, Bradley Weinsheimer, respondeu no dia seguinte, dizendo: “A linguagem marcada não era desnecessária ou indevidamente prejudicial porque não foi oferecida para criticar ou menosprezar o presidente; em vez disso, foi proposta para explicar as decisões de Harr, o conselheiro especial do presidente , sobre a disposição e retenção de informações classificadas.”

O relatório de 388 páginas do procurador especial acabou por incluir uma caracterização contundente da acuidade mental do presidente, chamando-o de “velho amnésico” que não conseguia lembrar quando foi vice-presidente ou quando o seu filho Beau morreu.

READ  Israel chama alegação do Hamas de rejeitar libertação de reféns de 'propaganda'

“Concluímos que nenhuma acusação criminal é justificada neste assunto”, disse o comunicado de Harin. “Não existe nenhuma política contra o impeachment de um presidente em exercício, mas acabaremos fazendo o mesmo”.

Isto apesar do facto de o procurador especial “revelar provas de que o Presidente Biden reteve e divulgou conscientemente informações confidenciais quando era um cidadão privado enquanto servia como seu vice-presidente”, afirmou o relatório.

Os críticos do presidente invocaram esses anúncios para marcar pontos políticos, dizendo que as conclusões do procurador especial são mais uma prova de que Biden não está apto para o cargo.

A maioria dos americanos vê Biden como velho demais para cumprir outro mandato, de acordo com uma pesquisa recente da ABC News/Ipsos.

Depois que o relatório de Harr foi divulgado, Siskel e Bauer responderam à carta de Weinsheimer, dizendo: “Discordamos fundamentalmente de sua avaliação de que os comentários no relatório do Conselheiro Especial Harr são consistentes com a política e prática do Departamento.” “Eles certamente não são.”

Biden criticou os detalhes do relatório. Falando aos repórteres na Casa Branca na noite do lançamento, Biden disse: “Eu sei o que estou fazendo”.

Hur está programado para testemunhar perante o Congresso sobre o relatório em 12 de março, informou a ABC News na quinta-feira. Isso aconteceu depois que os republicanos da Câmara solicitaram seu depoimento no início desta semana, além de pedidos de gravações de áudio e transcrições relacionadas à audiência de Hoor.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *